SALVATERRA | Pré-candidato a prefeito Igor Barros recebe apoio de empresários

Vereador Igor Barros recebe apoio de lideranças de diversos setores para elaborar um plano de governo democrático, “de mãos limpas”, com os filhos da terra. 

Uma prefeitura democrática, com a participação das comunidades, administrada pelos filhos da terra, valorizando as potencialidades turísticas da cidade e as necessidades da população. É essa a proposta de governo do pré-candidato a prefeitura de Salvaterra, vereador Igor Barros (PSD). Neste domingo (02), ele recebeu o apoio de empresários e lideranças políticas que apostam na mudança, numa de gestão de mãos limpas, e planejam uma cidade boa de se viver. 

Realizada informalmente na Pousada Boto, a reunião marcou o início de uma série de encontros de lideranças que serão realizadas também com trabalhadores dos setores de transporte, pescadores e extrativistas, grupos de cultura, servidores públicos, líderes comunitários  e outros grupos empresariais do município. Neste primeiro encontro, o vereador recebeu o apoio político dos empresários Pedro Paulo “Peu” Melo (MDB),  Shirley Pedrosa (Solidariedade), Denis Barros (PSD), Inês Santos (PROS), Pedrinho Dutra, Roberval Fernandes, Elton Leno e do advogado João Batista.   

“Estamos ouvindo as sugestões dos setores, as necessidades dos grupos de trabalho e das comunidades, para que a gente possa definir juntos o rumo que nós queremos para a nossa cidade”, diz o vereador Igor Barros, frisando a importância de trabalhar coletivamente para a construção de uma cidade sustentável, “com a devida valorização de nosso potencial turístico, das produções agropecuárias e extrativistas e sobretudo do atendimento às necessidades da população”.

No encontro, os empresários falaram sobre a necessidade urgente de se trazer recursos para o desenvolvimento de Salvaterra e da geração de emprego e renda na cidade. Criticaram o chamado “custo Marajó”, que implica na elevação do preço dos produtos comercializados na ilha, em função dos altos custos de transporte, mas reafirmaram que não é hora de reclamar do que passou, mas de avançar em uma nova política.

“Não é hora de criticar, nem fazer a velha política de reclamações e ataques. É hora de mudança, de progresso, de apostar no novo”, diz o comerciante Denis Barros. Ex-vice prefeito da cidade, ele destacou que não tem a intenção de apoiar quem não cumpre os compromissos firmados e ressaltou a importância de que a candidatura de Barros seja firmada na transparência das ações.

VICE-PREFEITO
Denis Barros é um dos nomes que poderá compor a chapa com Igor Barros na disputa pela Prefeitura da cidade. Além dele, outro nome forte é o da empresária Shirley Pedrosa, que poderá iniciar na política no cargo que o vereador Igor chama de “segundo prefeito”, em razão da importância política para a cidade. Um terceiro nome, que surge com o apoio de várias lideranças locais, é o do jovem empresário Peu Melo. Embora o vereador não declare quem será o escolhido, uma fonte da campanha assegura que a liderança regional do MDB vê com bons olhos uma chapa com Igor prefeito e Peu como vice. 

“O vice-prefeito não é uma figura decorativa. É um segundo-prefeito, que precisará assumir com muita responsabilidade o comando da gestão em alguns momentos e é também um dos principais canais de acesso da população à Prefeitura”, afirma Igor Barros. Segundo ele, a definição para a ocupação do cargo não está definida, “mas o importante é que somos todos filhos de Salvaterra, queremos resolver os problemas da cidade e já estamos todos juntos nesse momento”.

OPOSIÇÃO
Empresário, formado em Administração, eleito vereador em 2016, Igor Barros conta com 42 pré-candidatos a vereadores de diversas localidades de Salvaterra para lançar uma chapa que faz oposição aos dois últimos prefeitos da cidade, Juca Araújo e Valentim Lucas. 

Autor de diversos documentos pedindo transparência nas contas da Prefeitura, Igor Barros defende mais investimentos na área da saúde e educação.

“Os dois prefeitos tiveram seus erros e acertos, mas agora é hora de ouvir o que a comunidade quer para Salvaterra. E pra que isso aconteça, o gestor tem que estar de fato presente na cidade e assumir o comando das ações, mas a população tem que ser ouvida. Se há reclamações, é necessário pelo menos ouvir e tentar corrigir o que está errado”, diz o vereador.

Autor de diversos documentos pedindo transparência nas contas da Prefeitura e defensor de investimentos na área da saúde e educação, o vereador tem acompanhado as atividades nas comunidades quilombolas de Salvaterra, em especial durante a pandemia de coronavírus. “Todas elas ficaram sem nenhuma assistência da Prefeitura durante os meses de maior isolamento social. É muito difícil ficar em casa quando faltam remédio e comida”, diz ele.

As reclamações do vereador contra falta de cuidado da Prefeitura com as comunidades de Salvaterra gerou inclusive um boletim de ocorrência, na Delegacia da cidade. O fato ocorreu no final de junho, quando o parlamentar foi surpreendido na Câmara com um pedido para prestar esclarecimentos na Delegacia. O motivo: uma servidora da Prefeitura prestou queixa contra ele por ter fiscalizado as atividades do Posto de Saúde da vila da Passagem Grande.

Entre as denúncias feitas pelo vereador, muitas ligadas à questão ambiental e ao patrimônio da cidade, estão aquela que culminou como o processo administrativo disciplinar (PAD) Nº 217/2019/GAB-Seduc e afastamento do ex-secretário municipal de Educação e Naudir Modesto de Assis; e uma denúncia contra o presidente da Câmara de Salvaterra, vereador Rui Herculano Rolim, “por não apropriação de encargos patronais previdenciário”, como explica Barros.


Comentários